Aterro Sanitário

O Aterro de Resíduos Sólidos de Manaus é o único complexo de destino final dos resíduos sólidos urbanos sob a gestão da Prefeitura de Manaus. A área é estimada em 66 hectares e está localizado no km 19 da rodovia AM-010.

O complexo possui licença ambiental de operação fornecida pelo Instituto de Proteção Ambiental do Estado do Amazonas – IPAAM.

Figuras 1: Vista aérea do Aterro  e  Balança

Vista aérea do Aterro

Fonte: Foto cedida pela Concessionária Tumpex.

 

ATERRO_foto69Foto:  Balança do Aterro de Manaus (D’Castro- Semulsp)

 

Os resíduos recebidos pelo complexo apresentam três tipos de destinação: I) aterramento, II) Reciclagem (encaminhamento para os galpões de catadores)  III) produção de composto orgânico realizada pela Usina de Compostagem, localizada no Aterro.

 

 

Compostagem

Dentre muitos serviços e atividades pioneiras criadas pela SEMULSP, a Compostagem é uma das mais importantes por reduzir a quantidade de resíduos orgânicos no corpo do aterro.

Implantado em 2005, o serviço tem como objetivo aproveitar os restos de resíduos animais e vegetais coletados na cidade para serem transformado em adubo orgânico e serem utilizados na jardinagem municipal.

 

Figura 3:  Da esquerda para direita: Triturador de galhos, operação na usina, usina de compostagem e manutenção das leiras

 

 

Fonte: Semulsp

 

Controle e medição dos gases

Os aterros de resíduos sólidos normalmente emitem dióxido de carbono (CO2) e metano (CH4) na atmosfera, sendo que esses compostos são gerados pela decomposição anaeróbica dos resíduos orgânicos ali depositados, onde o metano tem um grau de poluição da atmosfera de, aproximadamente, 22 vezes mais que o dióxido de carbono.

Um serviço executado pelo Aterro de Manaus, desde 2008, mas pouco notado pela população da cidade, se refere a captura, coleta e queima limpa desses gases.

A operação de controle e medição da emissão dos gases é realizada exclusivamente pela CRA –CONESTOGA-ROVERS E ASSOCIADOS ENGENHARIA LTDA.

A empresa DNV – DET NORSKE VERITAS é a responsável pela Certificação das emissões reduzidas que está em andamento.

Figura 4 Planta da queima do Biogás

 

Fonte: Semulsp

 

A geração de créditos de carbono é uma das ‘moedas universais’, instituídas pelo Protocolo de Kyoto, implantado em 1997, que estabeleceu ao mundo metas de redução de emissão de gases na atmosfera. A partir daí cada tonelada de CO2 não emitida ou retirada da atmosfera por um país em desenvolvimento pode ser negociada no mercado mundial.

 

Veja aqui  os novos  resultados  em nosso relatório  parcial  de 2013  a 2020.