02/09/19 | 10:56
Refugiados venezuelanos são atendidos em nova estrutura

Ao menos cem refugiados venezuelanos que estavam abrigados temporariamente na Arena Amadeu Teixeira, Flores, zona Centro-Sul, foram realocados nesta sexta-feira, 30/8, para overlays (barracas) e toldos instalados na área próxima ao Terminal Rodoviário de Manaus, como parte das ações da operação Acolhida. A prefeitura vem prestando apoio às atividades, sensibilizando e orientando as famílias venezuelanas, referente ao novo modelo de espaço, por meio da equipe do serviço especializado de abordagem social.

 

“Nesses dias de ação, a Prefeitura de Manaus esteve sempre presente, para, de forma conjunta, agilizar a operação. Buscamos oferecer uma acolhida digna a essas famílias, que vieram de uma crise e necessitam de ajuda. Por isso, várias secretarias estão integradas conforme as orientações do prefeito Arthur Virgílio Neto”, destacou a titular da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc), Conceição Sampaio.

 

Também participam da ação, a Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp), atuando na limpeza do local e retirando entulhos; a Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf), contribuindo com o saneamento básico e demais processos de estrutura, além da Gestão de Trânsito, do Instituto Municipal de Mobilidade Urbana (IMMU), auxiliando no fluxo de veículos na área.

 

Pernoite

 

“Ao virem para cá, eles recebem uma barraca iglu ou uma barraca família, dependendo da composição do grupo. A partir das 17h a gente começa a entregar esse material e eles têm esse local, destinado ao pernoite. A partir das 5h eles devem entregar esse material e partir para seu local de trabalho”, explicou o comandante da base em Manaus, da operação Acolhida, coronel do Exército Marriton Dias, sobre a fase atual dos trabalhos que é de preparação do albergamento para receber os refugiados venezuelanos. Segundo ele, o espaço vai funcionar como um local de pernoite, entretanto, o tempo de duração dessa rotina de pernoite ainda é indefinido, porque depende do fluxo migratório.

 

Ainda de acordo com Marriton Dias, atualmente as Forças Armadas dispõem de 250 barracas tipo iglu e 30 barracas com capacidade para até 4 pessoas. As “ilhas” – áreas em que estão sendo montadas as estruturas do albergue – estão recebendo serviços de terraplanagem, montagens dos overlays, piso e iluminação. O local também será cercado para oferecer mais segurança aos refugiados venezuelanos. Nos próximos dias, serão construídas novas estruturas nas duas ilhas da área próxima ao terminal rodoviário.

 

 

Ações integradas

 

Coordenada pelo Ministério da Defesa e reunindo secretarias municipais e estaduais, além da Organização Internacional de Migração (OIM), Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), a operação Acolhida foi lançada em 2018, pelo governo federal, em Roraima. As entidades atuam em conjunto nas ações de acolhimento aos venezuelanos, como fornecimento de refeições, serviços de saúde, direcionamento para abrigos e a regularização documental dos refugiados, que queiram permanecer no Brasil e ser distribuídos para outras regiões, juntamente com suas famílias.

Nota de participação divulgada em 30/08/2019 18h31

 

Fotos – Altemar Alcântara / Semcom

 

Disponíveis em – https://flic.kr/s/aHsmGAr1m9