Aterro Sanitário

ATERRO_foto69

O Aterro de Manaus é o único complexo de destino final dos resíduos sólidos urbanos da cidade. Está localizado no km 19 da rodovia AM-010, posicionado espacialmente através das coordenadas geográficas S02°57’23.86″ e W60°00’47.62. O Aterro possui licença ambiental de operação fornecida pelo Instituto de Proteção Ambiental do Estado do Amazonas – IPAAM. A área estimada é 66 hectares e pertence à Prefeitura de Manaus desde 1995, Duas concessionárias são responsáveis pela operação do aterro.

A partir da assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta com o Ministério Público e a Vara do Meio Ambiente e Qualidade Ambiental (VEMAQA) no ano de 2006, a Prefeitura de Manaus iniciou os trabalhos de remediação do Aterro, que se consolidou com a construção das primeiras células revestidas com geomembranas de polietileno de alta densidade; a instalação de um sistema de drenagem de chorume e gases e a construção de lagoas de sedimentação para tratamento dos líquidos gerados pela decomposição dos resíduos no corpo do Aterro. Foi instalada em 2007 uma nova sede administrativa e uma nova balança, com capacidade de pesagem de 60 toneladas, o dobro da capacidade da antiga balança.

Operação

O complexo é operado pelas Concessionarias Marquise e recebe os resíduos coletados das modalidades descritos no quadro 1.1, ou seja, resíduos domiciliares, resíduos da remoção mecânica, da remoção manual, da coleta de poda e coleta seletiva e de Terceiros. Não é permitida a entrada de resíduos perigosos (Classe I), bem como resíduos resíduo inertes de Classe II B.

A estrutura de fiscalização no aterro é formada por fiscais que acompanham a chegada, o descarregamento e a saída dos caminhões. Os fiscais estão presentes 24 horas na área e verificam as condições gerais dos veículos, tipos de resíduos que estão dispostos e se os veículos estão descarregando todo o conteúdo no aterro. Depois, são encaminhados para o controle da balança dos caminhões. O balanceiro verifica e registra a origem e a natureza dos resíduos e sua pesagem.

A balança do aterro controlado é eletrônica, com capacidade de 60 toneladas, e possui um software específico para o controle da pesagem.

A unidade de apoio administrativo e operacional constitui um prédio que abriga o escritório, sala de reunião, sala de controle de pesagem de resíduos, copa, refeitório e instalações sanitárias.

Em 2017, o aterro de Manaus recebeu 892.270 toneladas de resíduos sólidos urbanos, uma média de 2.447,3 toneladas de resíduos dispostas por dia no aterro .

 

Tratamento dos resíduos

Os resíduos sólidos urbanos recebidos no Aterro Municipal possuem 3 tipos de destinação: Aterramento de lixo, Reciclagem e Compostagem.

 

Aterramento

O caminhão coletor ou basculante descarrega os resíduos no sopé da frente de operação. O lançamento e espalhamento dos resíduos, após identificação dos veículos coletores, são realizados a partir das áreas de acesso e manobra com o auxílio de equipamento apropriado.

A operação de espalhamento consiste no arranjo das camadas de resíduos. Após a operação de compactação dos resíduos sólidos, estes recebem cobertura com a finalidade de evitar a proliferação de vetores transmissores de doenças e controlar odores, utilizando camada de solo de 15 a 30cm (solo ou material inerte) e camada de cobertura final das células,com espessura de 60 cm de solo compactado.

Previamente ao lançamento e compactação, são executados os devidos elementos de drenagem sub-superficial, como:

  • Drenos de chorume sobre a célula;
  • Drenos verticais de chorume;
  • Drenos provisórios e definitivos de águas pluviais;
  • Impermeabilização da base e drenagem da fundação.

 

Reciclagem

Os resíduos provenientes do serviço Coleta Seletiva Porta-a-Porta, realizado pelas duas Concessionárias, são repassados aos grupos de catadores para fins de segregação e comercialização.

 

Compostagem

Dentre muitos serviços e atividades pioneiras criadas pela SEMULSP, a Compostagem é uma das mais importantes por reduzir a quantidade de resíduos orgânicos no corpo do aterro.

Implantado em 2005, o serviço é de fácil realização e tem como objetivo aproveitar os restos de resíduos animais e vegetais coletados na cidade para serem transformado em adubo orgânico e serem utilizados na jardinagem municipal.

O produto final resultante da compostagem é enriquecedor ao solo, ou seja, melhora as características do mesmo, gera redução na utilização de fertilizantes químicos e aumenta a retenção de água pelo solo. Além disso, oferece uma solução para 50% do lixo doméstico e impede impactos ambientais gerados por estes resíduos, tais como a geração de gases e maus cheiros e a reprodução de microrganismos patogênicos e nocivos ao homem.

Em 2017 ,na usina de compostagem, foram peneirados 1200m3 de resíduos, , sendo destinados 242 metros cúbicos de composto , ou  235, 5 kg , para escolas públicas , praças públicas, viveiro da Semulsp , Secretaria Municipal de Meio Ambiente e etc. O estoque em dezembro de 2017 alcançou o volume de 950 metros cúbicos de resíduos, com 60 leiras ativas e 12 em decomposição.

 

 

Controle e medição dos gases

Os aterros de resíduos sólidos normalmente emitem dióxido de carbono (CO2) e metano (CH4) na atmosfera, sendo que esses compostos são gerados pela decomposição anaeróbica dos resíduos orgânicos ali depositados, onde o metano tem um grau de poluição da atmosfera de, aproximadamente, 22 vezes mais que o dióxido de carbono.

Um serviço executado pelo Aterro de Manaus, desde 2008, mas pouco notado pela população da cidade, refere-se à captura, coleta e queima limpa desses gases.

A operação de controle e medição da emissão dos gases é realizada exclusivamente pela CRA –CONESTOGA-ROVERS E ASSOCIADOS ENGENHARIA LTDA.

A empresa DNV – DET NORSKE VERITAS é a responsável pela Certificação das emissões reduzidas que está em andamento.

A geração de créditos de carbono é uma das ‘moedas universais’, instituídas pelo Protocolo de Kyoto, implantado em 1997, que estabeleceu ao mundo metas de redução de emissão de gases na atmosfera. A partir daí, cada tonelada de CO2 não emitida ou retirada da atmosfera por um país em desenvolvimento pode ser negociada no mercado mundial.

 

Desde a implantação do serviço, foram reduzidas 2.073.796 toneladas de emissões de biogás (metano CH4 e CO2)