Aterro Sanitário

O Aterro de Resíduos Sólidos de Manaus é o único complexo de destino final dos resíduos sólidos urbanos sob a gestão da Prefeitura de Manaus. A área é estimada em 66 hectares e está localizado no km 19 da rodovia AM-010.

O complexo possui licença ambiental de operação fornecida pelo Instituto de Proteção Ambiental do Estado do Amazonas – IPAAM.

Figuras 1: Vista aérea do Aterro  e  Balança

Vista aérea do Aterro

Fonte: Foto cedida pela Concessionária Tumpex.

 

ATERRO_foto69Foto:  Balança do Aterro de Manaus (D’Castro- Semulsp)

 

De janeiro a dezembro de 2019, o aterro de Manaus recebeu 967.277 toneladas de resíduos sólidos, os quais 98,6% de RSU e 1,4% de resíduos de terceiros.  A média é de 2.650,1 toneladas de resíduos dispostas por dia no aterro.

Os resíduos recebidos pelo complexo apresentam três tipos de destinação: I) aterramento, II) Reciclagem (encaminhamento para os galpões de catadores)  III) produção de composto orgânico realizada pela Usina de Compostagem, localizada no Aterro.

 

A figura 2 apresenta composição percentual da quantidade disposta por tipo de destinação.

Figura 2

Neste período, o complexo registrou a entrada de 120.935 viagens, média diária de 331 viagens. Também, em média, 124 veículos entram por dia no Aterro

 

Compostagem

Dentre muitos serviços e atividades pioneiras criadas pela SEMULSP, a Compostagem é uma das mais importantes por reduzir a quantidade de resíduos orgânicos no corpo do aterro.

Implantado em 2005, o serviço tem como objetivo aproveitar os restos de resíduos animais e vegetais coletados na cidade para serem transformado em adubo orgânico e serem utilizados na jardinagem municipal.

Em 2019, a usina de compostagem produziu 400 metros cúbicos de composto, sendo 250 m3 de adubo destinados para escolas públicas, praças públicas, viveiro da Semulsp, Secretaria Municipal de Meio Ambiente e outros locais. Os outros 150 m3 de adubo restantes em estoque.

 

Figura 3:  Da esquerda para direita: Triturador de galhos, operação na usina, usina de compostagem e manutenção das leiras

 

 

Fonte: Semulsp

 

Controle e medição dos gases

Os aterros de resíduos sólidos normalmente emitem dióxido de carbono (CO2) e metano (CH4) na atmosfera, sendo que esses compostos são gerados pela decomposição anaeróbica dos resíduos orgânicos ali depositados, onde o metano tem um grau de poluição da atmosfera de, aproximadamente, 22 vezes mais que o dióxido de carbono.

Um serviço executado pelo Aterro de Manaus, desde 2008, mas pouco notado pela população da cidade, se refere a captura, coleta e queima limpa desses gases.

A operação de controle e medição da emissão dos gases é realizada exclusivamente pela CRA –CONESTOGA-ROVERS E ASSOCIADOS ENGENHARIA LTDA.

A empresa DNV – DET NORSKE VERITAS é a responsável pela Certificação das emissões reduzidas que está em andamento.

Figura 4 Planta da queima do Biogás

 

Fonte: Semulsp

 

A geração de créditos de carbono é uma das ‘moedas universais’, instituídas pelo Protocolo de Kyoto, implantado em 1997, que estabeleceu ao mundo metas de redução de emissão de gases na atmosfera. A partir daí cada tonelada de CO2 não emitida ou retirada da atmosfera por um país em desenvolvimento pode ser negociada no mercado mundial.

De julho de 2009 a fevereiro de 2019, foram reduzidas 3.664.988 toneladas de emissões de biogás (metano CH4 e CO2), média diária de 1.002 toneladas de biogás.